Canoinhas inicia vacinação contra covid em bebês de seis meses com comorbidade

Postos do Centro e Campo estão aplicando o imunizante

A Secretaria de Saúde de Canoinhas informa que já está aplicando a vacina contra a covid-19 em bebês a partir de seis meses de idade até dois anos que tenham comorbidades. O imunizante é do laboratório Pfizer.

A vacina Pfizer para bebês a partir dos seis meses (tampa vinho) possui apresentação e dosagem diferenciada da formulação utilizada em adultos a partir dos 12 anos (tampa roxa) e também em crianças de cinco a 11 anos (tampa laranja).

Nos bebês e crianças de até dois anos ela deve ser aplicada no esquema de três doses, com 28 dias de intervalo entre a primeira e a segunda dose e 60 dias entre a segunda e a terceira dose.

A aplicação está sendo realizada nas unidades do Centro às quartas (das 7h30 ao meio-dia e das 13h às 16h) e Campo d’Água Verde às quintas (7h as 18h30). Este cronograma visa evitar o desperdício de doses. Para ser imunizado é preciso levar declaração que comprove a comorbidade.

Com a confirmação no início deste mês da circulação da sublinhagem Ômicron BQ.1.1 do coronavírus em Santa Catarina, a Secretaria de Saúde emitiu alerta reforçando a importância de completar o esquema vacinal para a prevenção de agravamento, hospitalizações e óbitos pela Covid-19.

O esquema vacinal completo é aquele em que a pessoa é vacinada com as duas doses ou a dose única no esquema primário e que recebe(m) a(s) seguinte(s) dose(s) de reforço, de acordo com a faixa etária:

  • De 12 a 29 anos de idade: primeira dose de reforço a partir do quarto mês após completar o esquema primário;

  • A partir dos 30 anos de idade, com esquema primário realizado com Sinovac/Butantan, AstraZeneca/Fiocruz ou Pfizer: segunda dose de reforço, a partir do quarto mês após receber a primeira dose de reforço;

  • A partir dos 40 anos de idade, com esquema primário realizado com a Janssen: terceira dose de reforço.

Comprovantes de comorbidades:

a) laudo ou declaração médica ou exame comprobatório que indique a comorbidade;

b) laudo emitido por nutricionista no caso de obesidade;

c) declaração de equipe multidisciplinar, que indique a condição de comorbidade;

d) cadastro existente na sua unidade de referência, como comprovante que este faz acompanhamento da referida condição de saúde.