Apoca recebe recursos arrecadados no Café Solidário

Era mais um dia de atendimento na Associação dos Pacientes Oncológicos de Canoinhas (Apoca), mas a notícia que chegou junto com a primeira-dama Larissa Faria, com a secretaria de assistência social, Ângela Soares e com a coordenadora do CadÚnico, Marina Oleskovicz, fez com que a tarde desta quarta-feira,01, terminasse diferente, com emoção e muita alegria. Nas mãos da primeira-dama, um relatório mostrava o motivo da visita: o repasse dos recursos arrecadados na 9º edição do Café Solidário, realizado no final de Agosto.

Quem acompanha o trabalho da Apoca, sabe da dedicação dos voluntários com os muitos pacientes que diariamente lutam contra o câncer. A entidade oferece hoje auxílios diversos, que vão desde o fornecimento de leite, complementos e suplementos alimentares, gêneros alimentícios a consultas médicas, atendimento com enfermeiros, assistentes sociais, nutricionista, assessoria jurídica entre tantos serviços e profissionais. Mas, em meio a dificuldades financeiras, o que motiva os servidores e voluntários da Apoca a continuar o trabalho iniciado  em 1998? O amor ao próximo, a esperança.  Esses sentimentos, somados a solidariedade, levaram mais de mil pessoas a adquirir os ingressos do Café Solidário. Foi além disso, motivou empresários, clubes de serviço, profissionais de comunicação e um grande time de voluntários, composto por cidadãos de diversos bairros e instituições, a contribuir com o evento. A união dos canoinhenses mais uma vez trouxe bons resultados. A dedicação e colaboração de cada um tornou possível o repasse de R$ 20.511,00 à Apoca.

“Foi uma grande surpresa. A gente não esperava encontrar tanta gente ajudando, trabalhando e participando do café. Sei que Deus na sua infinita bondade vai abençoar a todos”, disse a presidente da Apoca, Ernestina de Lima, que agradeceu a primeira-dama, os voluntários e todos que contribuíram com o evento. Em meio às palavras de gratidão, a voz de Ernestina deu lugar ao choro, emocionado, de quem há anos convive diariamente com os pacientes e busca sempre uma maneira de ajudar a cada um. “A gente se emociona porque sabe o quanto os pacientes precisam. É em nome deles que a gente agradece todo mundo que fez parte do Café Solidário, Deus abençoe à todos os anjos com muita saúde e paz”, disse Ernestina.

O fotógrafo canoinhense Maurício Dranka lembra com amor e carinho de sua mãe, Maria de Lourdes Castro Dranka, que faleceu há alguns anos e por algum tempo lutou contra o câncer de mama. Na época, dona Maria fez tratamento fora do município, mas algumas vezes contou com a ajuda da equipe da Apoca. O fotógrafo conta que antes de sua mãe descobrir o câncer, ele tinha conhecimento da existência da Apoca, mas não sabia do trabalho realizado pela instituição. “Só quando a mãe ficou adoentada que fomos saber bem certo o trabalho que era feito ali. E sabe o que foi bem legal? Hoje se fala muito de atendimento humanizado, mas naquela época nós já encontramos isso lá na Apoca. Eles trataram muito bem minha mãe e foi como se tivessem feito isso para mim. Ela era um grande tesouro que eu tinha e eles cuidaram bem desse tesouro”, relata Dranka, comentando ainda que na época, cerca de uns dez anos atrás, a instituição tinha uma estrutura um pouco precária e mesmo assim sua equipe não mediu esforços para ajudar. “ Eles não podiam fazer muita coisa, mas o que poderia ser feito eles fizeram”, conta o fotógrafo.

Contente ao repassar a renda obtida no café para a Apoca, a primeira-dama Larissa Faria destacou o carinho com que cada integrante da equipe se dedicou ao evento. “A gente curtiu muito esse café. Foi muito gratificante organizar cada detalhe, fazer parte de uma equipe tão comprometida em ajudar a Apoca. Os canoinhenses novamente mostraram o quanto são unidos por uma causa, o quanto desejam o bem ao próximo. Só tenho a agradecer a cada um que de alguma maneira ajudou, tornando nosso dia mais especial e propiciando momentos como esse, de emoção e satisfação de dever cumprido”, declarou Larissa.